Associação dos Oficiais da Reserva do 

EXÉRCITO BRASILEIRO

  Home Quem Somos Links Diretoria

Aviões
Filiada ao CNOR - Conselho Nacional de Oficiais R2 do Brasil

Home
Opinião
Boletim
Serviços
Aconteceu
Fotos
Nossos Parceiros
Legislação
ÚLTIMAS NOTÍCIAS
História da Aor-Eb
Associados
Comentários
11° ENOREX
Pesquisar
Empregos
Estatuto
Aniversariantes
Circular
Folder
Armas
Reuniões
10° ENOREX
Brasil na Mídia
Uniforme
Saúde
Humor
Aviões
Hotéis de Trânsito
12° ENOREX-BH

 

Embraer quer fornecedores de cargueiro em 1 ano

Cesar Bianconi, http://portalexame.abril.com.br/v2009/img/reuters.jpg

22/03/2010 | 08:46 São Paulo

A Embraer espera ter em cerca de 1 ano o projeto do cargueiro KC-390 definido e seus fornecedores escolhidos.

É praticamente certa a colaboração de um parceiro estrangeiro no desenvolvimento da aeronave, principal aposta da fabricante brasileira na área de Defesa.

 A Força Aérea Brasileira (FAB) e a Embraer, assinaram em 14 de abril do ano passado contrato para o KC-390, com investimento estimado em 1,3 bilhão de dólares bancado pela União.

Embora o governo ainda não tenha formalizado uma encomenda, a expectativa é que a FAB adquira ao redor de 20 unidades do cargueiro, que substituirá a frota de C-130 Hércules, da norte-americana Lockheed.

"O desafio, se concluídas as parcerias estratégicas com governo e base industrial local, é chegar a abril ou maio do ano que vem com o produto claramente definido e fornecedores escolhidos", disse à Reuters o vice-presidente do segmento de Defesa da Embraer, Orlando Ferreira Neto, em entrevista.

Segundo ele, o cronograma do projeto "está absolutamente em dia", na fase de conclusão dos estudos preliminares. A previsão é ter protótipos do cargueiro voando em 2014, com a certificação básica para voos no ano seguinte.

Ainda que seja observadora do programa da FAB para a compra de novos caças, conhecido como FX-2, a Embraer. já sabe, de antemão, que será beneficiada seja qual for o vencedor da licitação que envolve a francesa Dassault (favorita na disputa), a norte-americana Boeing e a sueca Saab.

Segundo Ferreira Neto, foram assinados memorandos de entendimentos com os três grupos que buscam o contrato bilionário do governo brasileiro para fornecer os caças.

"Houve oferta de repasses tecnológico e de conhecimento interessantes para a Embraer dentro do KC-390... Isso foi avaliado pelos proponentes (de caças à FAB) e colocado conosco", afirmou Ferreira Neto, sem entrar em detalhes.

A Embraer, que nasceu com a missão de desenvolver aeronaves para a FAB e se converteu em uma das maiores fabricantes mundiais de jatos comerciais após ser privatizada, tem como principal produto de exportação na área militar o avião de treinamento e combate leve Super Tucano.

O desejo é que o KC-390 seja vendido a outras forças aéreas, diante da previsão de um mercado potencial no exterior por 700 cargueiros em um prazo de 15 anos.

A Embraer ainda não tem um preço para o KC-390. Quando o valor da aeronave for definido, Ferreira Neto acredita que a empresa terá condições de iniciar a prospecção efetiva de clientes além da FAB.

A área de Defesa da Embraer deve ter receita de 650 milhões de dólares em 2010, ou 13 por cento do faturamento total estimado pela empresa. Em 2009, as vendas nesse segmento foram de quase 500 milhões de dólares, o que representou 9,1 por cento do total.

 

Para quê 30 000 páginas?

por Marcelo Onaga
 
O relatório elaborado, e vazado, pela Força Aérea Brasileira no início da semana, tem dados que mostram que a última escolha, examinado-se dados técnicos e econômicos, seria pelo francês Rafale, da Dassault. Mesmo asim, tudo indica que a escolha de Lula não levará conclusões lógicas em conta.
O francês Rafale: apesar da pouca atratividade, é o preferido do presidente

O francês Rafale: apesar da pouca atratividade, é o preferido do presidente

Conforme Primeiro Lugar havia antecipado no dia 23 de novembro, os custos de operação do sueco Gripen NF, da Saab, ficam em torno de  7 000 dólares por hora voada. O Boeing F-18 Hornet, segundo colocado no relatório que teve trechos divulgados pela Folha de S. Paulo, tem custo por hora voada em torno de  10 000 dólares. De acordo com uma fonte próxima às negociações, a Dassault havia se comprometido a apresentar custos por hora voada de 14 000 dólares para o Rafale. Já seria o dobro do Gripen. Contudo, ainda de acordo com essa fonte, o valor apresentado ultrapassa os 20 000 dólares.

Daí a preocupação da FAB com os custos do caça francês. Não é só o valor de venda — o Rafale custa cerca de 140 milhões de dólares a unidade e os suecos prometeram vender cada caça por metade desse valor. A Aeronáutica teme ter um caça de última geração, mas não poder usá-lo por falta de dinheiro para o querosene.

A situação, por mais absurda que possa parecer, aconteceu há pouco tempo. No final do governo Fernando Henrique, quando já se discutia a compra de novos aviões de guerra, a FAB não conseguia tirar seus velhos Mirage e F-5 dos hangares por falta de dinheiro para manutenção e para o combustível.

O segundo colocado da lista, também como a coluna havia antecipado, é o americano F-18. O caça da Boeing é o mais testado em ação e o preferido dos pilotos. É mais barato que o Rafale, mas oferece menos transferência tecnológica. Mesmo assim, a Embraer diz, internamente, que o pior parceiro seria a Dassault francesa.

Ou seja: caso a escolha seja mesmo pelo francês, fica claro que todos os demais atores envolvidos no processo gastaram tempo e (muito) dinheiro apenas para fazer parte de um circo de cartas marcadas. Se a escolha seria meramente política, já que de acordo com a Aeronáutica, o Rafale não é o melhor nem técnica, nem financeiramente, a FAB não precisaria gastar tanta tinta e papel para preparar um relatório de 30 000 páginas, Saab e Boeing não precisariam enviar equipes, promover testes, contratar assessores e consultores.

A dificuldade em escolher um modelo para montar uma nova frota de caças supersônicos não é nova. O governo passado, ao ver o tamanho do problema e a proximidade do fim do mandato, deixou a escolha para o presidente atual. Depois de quase oito anos, Lula se vê na mesma situação. Talvez a melhor atitude seja copiar a de seu antecessor e entregar a decisão pra o próximo presidente.

Embraer lança novo jato Legacy 650

| 20.10.2009 | 11h30
O novo avião executivo custará cerca de US$ 29,5 milhões e terá um alcance adicional de 926 km em relação ao modelo anterior.

O novo avião executivo custará cerca de US$ 29,5 milhões e terá um alcance adicional de 926 km em relação ao modelo anterior

A Embraer, terceira maior fabricante de aviões comerciais do mundo, anunciou o lançamento do novo jato Legacy 650.

O avião, voltado para o público executivo, foi desenvolvido com base na plataforma do Legacy 600 com a mesma capacidade de até 14 passageiros.

As primeiras entregas estão programadas para o segundo semestre do ano que vem.

O Legacy 650 voará até 7.223 km sem escalas com quatro passageiros, ou 7.038 km com oito passageiros, o que representa cerca de 926 km de alcance adicional ao do Legacy 600.

Novo jato Legacy 650 fabricado pela Embraer

O preço de tabela do novo jato é de cerca de 29,5 milhões de dólares. Nas mesmas condições, o Legacy 600 tem preço de tabela de 27,45 milhões de dólares.

O custo de desenvolvimento da aeronave, segundo informou a companhia, já estava nos seus planos de investimentos de pesquisa e desenvolvimento para o ano de 2009 e 2010.

De acordo com a Embraer, este aumento no alcance foi obtido por meio de extensas mudanças na aeronave, tais como reforço da asa e dos trens de pouso, maior capacidade de combustível e motores mais eficientes e potentes.

Em relação à parte interna do avião, os padrões de funcionalidade e conforto continuam os mesmos do Legacy 600, com três zonas de cabine distintas e espaçosa cozinha, além do maior compartimento de bagagem acessível em vôo da aviação executiva.

Outra diferença dos dois jatos é quanto aos níveis de ruído da cabine, que foram reduzidos no novo Legacy com a instalação de um isolamento acústico de última geração. Além disso, a conexão para acesso à Internet em alta velocidade foi melhorada com um sistema mais moderno.

O jato executivo poderá voar sem escalas de Londres (Reino Unido) para Nova York (EUA); de Dubai (Emirados Árabes Unidos) para Londres ou Cingapura; de Miami (EUA) para São Paulo (Brasil); de Cingapura para Sydney (Austrália); ou de Mumbai (Índia) para a Europa central.

De acordo com a companhia, além do alcance maior, o Legacy 650 também possui um excepcional desempenho sob condições de elevadas temperaturas e altitudes, o que permite com que o avião opere em aeroportos situados a até 4.206 metros (13.800 pés) acima do nível do mar.
"Estamos continuamente focados em manter nossos produtos atualizados e competitivos", disse Luís Carlos Affonso, vice-presidente executivo da Embraer.

Para quem gosta de aeroporto perto de casa.......

Home ]            

Comentários sobre este Website para: macroser@macroser.com.br Copyright © 2006 Aoe-Eb Última modificação: 11 janeiro, 2011